Banner
Banner
Banner
Banner
Esportes Paralímpicos
Futebol de 5 : Com craques da seleção, Regional Sul acontece em Ponta Grossa/PR
Notícias - Esportes Paralímpicos
Qui, 18 de Maio de 2017 11:33

Apadv-SP defenderá o título da competição.

alt


Evento conta com a participação de sete equipes e é uma excelente oportunidade para o público assistir de perto craques como Ricardinho, Nonato, Dumbo e Damião.


A bola vai rolar para o Regional Sul de Futebol de 5 a partir da próxima sexta-feira (19.05), no Ginásio Jamal Farjallah Bazzi, em Ponta Grossa, no Paraná. Sete equipes entram na disputa do título da competição e, algumas delas, pela vaga na Copa Loterias Caixa – Série B deste ano.


O evento reúne equipes do Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. E entre as participantes da competição está a atual campeã Apadv-SP. Ao lado dos paulistas, tem ainda Agafuc-RS, do craque Ricardinho, Asdefipel-RS, Acergs-RS, Aedv-PR, Cesec-SP e INV-SP.


As equipes foram colocadas em duas chaves, sendo o Grupo A com três e o B com quatro. Os dois primeiros de cada um avançam para a semifinal. Os vencedores da fase eliminatória fazem a final da competição e os derrotados jogam pelo bronze. Ao término do Regional, as duas melhores equipes (que não forem da Série A) se classificam para a segunda divisão nacional.


Presença de craques


Além dos 13 jogos que prometem animar o público, o Regional Sul terá a presença dos craques da seleção brasileira para abrilhantar ainda mais o evento. O atual detentor do título conta com o goleiro Vinícius. Já a vice-campeã do ano passado, Agafuc-RS, conta com um elenco recheado de jogadores do selecionado canarinho: Luan, Damião, Raimundo, Maurício Dumbo e o melhor jogador do mundo, Ricardinho. Além deles, os gaúchos contam ainda com Coki Padilla, da seleção da Argentina.



Texto e foto: Tadeu Casqueira/CBDV

 
Brasileiros se classificam para os Mundiais Paralímpicos de atletismo e natação
Notícias - Esportes Paralímpicos
Ter, 25 de Abril de 2017 14:35
alt

O Open Internacional Loterias Caixa de Atletismo e Natação chegou ao fim neste domingo (23.04)em São Paulo, com resultados animadores para comissões técnicas das duas modalidades. Nos três dias de provas, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, 26 atletas (13 do atletismo e 13 da natação) atingiram o índice para os Mundiais das modalidades, em julho, de atletismo, em Londres, e em outubro, de natação, na Cidade do México.


"O balanço que fazemos do Open Internacional é muito positivo, já que os atletas têm até junho [atletismo] e agosto [natação] para fazerem os índices e mais da metade conseguiu a classificação neste evento, ainda em abril. Isso mostra a importância do Open realizado no Brasil. Nossa estratégia de subir o nível dos índices agora demonstra estar correta",
analisou Mizael Conrado.


No atletismo, os índices classificatórios tiveram como base as melhores performances de 2016 - ano dos Jogos do Rio. Mesmo assim, 14 atletas obtiveram a marca A e asseguraram presença no Mundial de Londres, que ocorrerá entre os dias 14 e 23 de julho.


"No sábado entrei nos 200m e, logo de cara, consegui o índice A para o Mundial. Desta maneira, saiu o peso das minhas costas, a pressão para conseguir a vaga. Consegui também bons resultados nos 100m, então estou emocionado e muito pilhado. Agora tenho de aproveitar e focar já na preparação para Londres", disse Edson Pinheiro, velocista do atletismo da classe T38.


Foram registrados dois recordes mundiais nas provas de campo. Alessandro Rodrigo lançou o disco na classe F11 a 44,66m e derrubou uma marca que perdurava desde 1998. Nesta mesma prova, na classe F57, Thiago Paulino alcançou marca de 48,04m e também quebrou o recorde mundial, que era dele mesmo, e representará o Brasil em Londres.


Na natação, a quantidade de índices alcançados já no Open surpreenderam a comissão técnica. As 13 marcas deixaram o técnico-chefe da Seleção, Leonardo Tomasello, animados para a formação do grupo para o Mundial. "Foi surpreendente por ser a primeira competição que vale índice, e estamos em abril ainda. Muitos deles ainda estão fazendo programas para as nacionais e já saiu esse número grande de índices e com os tempos muito bons. Então foi bem animador", disse Tomasello.


Os nadadores ainda terão duas etapas nacionais (em junho e em agosto), além das competições internacionais chanceladas pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC, sigla em inglês) que os atletas participarem. E com o prazo mais tranquilo que o do atletismo, Tomasello acredita que muita gente ainda pode aparecer na lista de nadadores com índice. "Temos a referência de 17 atletas que já fizeram tempo abaixo dos índices e que só precisam confirmar neste ano. Destes, 10 já fizeram e os outros três nadaram abaixo do pela primeira vez. Então acho que podemos levar de 20 a 22 atletas com índice para o Mundial", explicou o técnico-chefe.


As etapas nacionais do Circuito Loterias Caixa devem definir a lista de convocados das duas modalidades para os Mundiais. No atletismo, os competidores terão até a primeira fase da competição, de 2 a 4 de junho, em São Paulo, para confirmar as marcas estabelecidas pelo CPB. Já os nadadores ainda terão a segunda fase, de 3 a 5 de agosto, para obter o índice mínimo.


O Open Loterias Caixa 2017 reuniu 316 atletas de oito países durante três dias de competição. As provas das duas modalidades foram disputadas no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, na capital paulista.


Atletas classificados para os Mundiais


Natação

1- Daniel Dias - 100m livre S5

2- Andre Brasil - 100m livre S10

3- Phelipe Rodrigues - 100m livre S10

4- Joana Neves - 50m livre S5

5- Raquel Viel - 100m costas S12

6- Patrícia Santos - 100m livre S4

7- Cecília Araújo - 100m livre S8

8- Felipe Caltran - 100m borboleta S14

9- Talisson Glock - 100m costas S6

10- Ítalo Gomes - 100m costas S7

11- Edênia Garcia - 50m costas S3

12- Matheus Rheine - 400m livre S11

13- Gabriel Souza - 50m livre S8


Atletismo

1- Renata Bazone - 800m T11

2- Thiago Paulino - lançamento de disco F57

3- Izabela Campos - lançamento de dardo F11

4- Paulo Henrique - salto em altura T13

5- Petrucio Ferreira - 200m T47

6- Mateus Evangelista - 200m T37

7- Rodrigo Parreira - 200m T36

8- Ricardo Costa Oliveira - salto em distância T11

9- Kesley Josué - 200m T13

10- Alessandro Rodrigo - lançamento de disco F11

11- Edson Pinheiro - 200m T38

12 - Emerson dos Santos Lopes - lançamento de disco F46

13- João Luiz dos Santos - lançamento de disco F46



Texto: Assessoria de Imprensa/Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB)

Foto: Daniel Zappe/CPB/MPIX

 
Nadadora paralímpica Susana Schnardonrf retorna ao GNU
Notícias - Esportes Paralímpicos
Qui, 06 de Abril de 2017 12:13
alt


Quando deu suas primeiras braçadas nas piscinas do Grêmio Náutico União em 1984, aos 16 anos, Susana Schnardonrf não imaginou o destino que traçaria antes de retornar ao clube nesta quarta (05.04). Aos 49 anos, ela retornou ao Clube na condição de medalhista paralímpica.


Nesses anos que a separam do seu começo e retorno ao clube, a vida da gaúcha nascida em Porto Alegre teve triatlho, três filhos, um diagnóstico de uma doença degenerativa, e a conquista de uma medalha paralímpica, em seu país. Uma constante, no entanto, sempre foi a paixão por nadar. “Eu diria pra nadar com o coração sempre”, opinou a unionista ao responder o conselho que daria aos que estão começando no esporte.


Em um clima de confraternização, a paratleta assinou contrato com o Clube que a revelou, nos anos 1980. “ Estar aqui hoje é como estar em casa e nada melhor que em casa para fechar esse ciclo” declarou a nadadora, que já está focada no Tokyo 2020. O objetivo dela é claro: a medalha de ouro. Para quem já driblou os diagnósticos médicos, e superou a expectativa de vida inicialmente traçada, quando do diagnóstico da doença, é impossível duvidar desse objeto.


Em seu primeiro treino no Parque Aquático Newton Silveira Netto, na Sede Moinhos de Vento,junto com a equipe de natação paraolímpica, a atleta reviu antigos colegas de equipe e filhos. “Desejamos boas vindas e estamos todos felizes em te receber de volta”, declarou o presidente José Naja Neme da Silva, resumindo o sentimento da comunidade unionista.


Quem é Susana Schnarndorf


Susana conquistou a medalha de prata nos Jogos Paralímpicos de 2016 no revezamento 4x50m misto. A gaúcha começou a nadar ainda criança no GNU. Após, tornou-se atleta de triathlon, competindo ainda em diversos Ironmans (thriatlon de longas distâncias).


Em 2005, Susana foi diagnosticada com uma doença degenerativa rara, a Atrofia Múltipla de Sistemas, cuja expectativa de vida costuma ser de 5 a 8 anos. Foi com a natação que a gaúcha já contrariou expectativas dos médicos quanto ao tempo de vida e mobilidade.Desde 2011, compete e conquista medalhas a nível nacional e internacional.



Texto: Anna Magagnin/GNU

Fotos: Realiza/João Mattos

 
Mais Artigos...

TRAVINHA TV

Banner
Banner

Newsletter


Fotos



Copyright © 2017 Travinha Esportes. Todos os direitos reservados.