Home Notícias Futebol Gaúcha quebra recorde mundial de embaixadinhas
0

Gaúcha quebra recorde mundial de embaixadinhas

Gaúcha quebra recorde mundial de embaixadinhas
0
0

Agora só falta a homologação para entrar no Guinness Book

Ela só tem 23 anos, mas há sete deles busca realizar um sonho: bater o recorde mundial de mais tempo fazendo embaixadinha. E nessa quinta-feira (24.05), a gaúcha de Taquara, Lara Schuller conseguiu. Com 12h01min a atleta detém o novo recorde feminino – o anterior era de 8 horas e 22 minutos. Tudo registrado com fotos, câmeras de vídeo, cronometragem e relatórios descritivos, conforme exige as normas para ingressar no Guinness Book. O feito foi realizado na sede da Federação Gaúcha de Futebol (FGF) em Porto Alegre.

Muito feliz, a jogadora comemorou. Humilde, sempre agradecendo a toda equipe que a ajudou, como a preparadora física Suellen Ramos, a psicóloga Rosiane Andrade, a fisioterapeuta Jerry Ribeiro da Fisioclínica de Taquara, a nutricionista Luiza La Porta e claro, a família, que a apoiou desde o início.

“Sem eles eu não teria conseguido”, ressalta Lara.

“Principalmente o pai das minhas sobrinhas, Luiz Carlos Calai, que me apoia desde sempre, desde quando comecei a pensar no recorde”, completa.

Toda essa equipe, reunida há cerca de um ano, proporcionou para a atleta uma preparação multidisciplinar. O que a possibilitou ficar 12 horas batendo a bola, na mesma posição e tento a responsabilidade de acertar o tempo todo, sem se deixar abater por essa pressão.

“Deu bastante tontura. Nas últimas horas foi mais difícil”, confessa Lara.

A jogadora acredita que isso se deve ao fato de ela ficar com a cabeça baixa muito tempo. Mas ela disse que, fora isso, ela estava bem fisicamente. E credita isso ao fato também de ter realizado treinamento funcional na Ultra Funcional Place.

Sonho de guria

Lara Schuller quebra recorde munidal de embaixadinhas - quase no final

Ela começou a praticar o futebol na escola, aos nove anos de idade. As embaixadinhas vieram por um “acaso da vida”. “Eu chegava em casa e não tinha com quem jogar, então era ou embaixadinha ou jogar a bola na parede!”.

Ela gostou mais das embaixadinhas. Foi tomando gosto e se aprimorando. Aos 13 anos, ela ficou, pela primeira vez, uma hora fazendo. Aos 14, foram três horas, aos 15, cinco. Foi aí que ela pensou no recorde. “Opa! Eu posso conseguir!”.

Em um treinamento ela já tinha chegado às 10h do feito. Até mesmo na Feira do Livro, no ano passado, quando colocou caixinha para arrecadar verba para o evento de homologação, ela ficou cerca de 10 horas. No dia, ela conta, conseguiu cerca de R$400,00.

Para o evento de registro do recorde, Lara também fez vaquinha online e conseguiu colaboração de apoiadores. A quem ela também agradece muito.

Cerca de 66 mil embaixadinhas

Lara Schuller quebra recorde munidal de embaixadinhas - mais de 10 horas

Esse é o número levantado pela Orange Sports, empresa que ajudou a organizar o evento, cuidando também da parte técnica e da cronometragem oficial. Segundo o diretor Rogério Karpinski, essa foi uma estimativa feita pela equipe ao longo das 12h01min. A média foi de 92 embaixadinhas por minuto, sendo 5mil por hora.

Para homologação

“Bater o recorde mundial eu bati. Agora é eles aprovarem!”, afirma Lara.

As tarefas agora são traduzir os relatórios executados pela equipe técnica que acompanhou a atividade para o inglês, separar fotos e vídeos para enviar aos organizadores do livro dos recordes mundiais. O que Lara espera fazer até semana que vem.

Afinal, a menina que batalhou sete anos para conseguir realizar o feito – não só quanto ao aspecto de preparação como atleta, mas, sobretudo condições financeiras para montar a estrutura necessária – agora está ansiosa para ver o seu nome registrado. Segundo Lara, a resposta do Guinness pode demorar até 12 semanas.

“A questão é eles avaliarem que o que está escrito retrate o que está no vídeo”, explica Lara.

Educadora física

Realizado o feito de quebra do Recorde Mundial, formar-se em educação física é a nova meta. E que ninguém duvide que ela vai alcançar.

“Se a gente não se superar, a gente não faz!”, finaliza a sonhadora, mas também realizadora.

 

 

Futebol, pizza e descontração no Bazkaria Futebol Club

Texto: Nathália Ely/Travinha Esportes
Fotos e vídeos: Divulgação

LEAVE YOUR COMMENT

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *