0

História e Regras do Zorbing

História e Regras do Zorbing
0
0

Um esporte pra lá de radical

O Zorbing é um esporte novo, empolgante e radical, criado no ano de 2002, na Nova Zelândia, pelos compatriotas Andrew Akers e Dwane van der Sluis.

O objetivo do zorbing consiste em descer uma ladeira dentro de uma bola especial chamada de zorb (foto abaixo) no menor tempo possível.

O zorb (bola) é fabricado com material de PVC e composta por duas esferas, sendo uma dentro da outra, além de uma câmara de ar que amortece o impacto com o solo.

A esfera inferior é o local em que o praticante é acomodado para depois descer morro abaixo, girando diversas vezes.

A força centrífuga exercida na descida permite que o praticante fique posicionado no fundo da esfera e não saia do lugar. Na descida, o zorb pode atingir a velocidades de até 50 Km/h.

Atualmente, existem outros tipos de zorbing que permitem até a descida de dois praticantes (foto acima) ao mesmo tempo. Os países que praticam e também fabricam os zorbs são a Inglaterra, a Escócia, a Irlanda do Norte, a Nova Zelândia, a Suíça, a Austrália, o Canadá, a Suécia, o Japão e os Estados Unidos.

No zorbing, além da descida de morro, existem outras três modalidades neste esporte como segue abaixo.

 

Zorb na Neve

Como o próprio nome já diz, é o zorbing praticado na neve. É considerada a modalidade mais radical e por isso o zorb (bola) é fabricado com um material mais resistente. Esta modalidade, inclusive, fará parte dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, em Sochi, na Rússia, como esporte de exibição.

 

 

Kinder Zorb

Esta é uma modalidade voltada para as crianças com idade de três a nove anos. O zorb é um pouco menor e as decidas são menos íngremes.

 

 

Hidro Zorb

Modalidade praticada tanto dentro da água quanto fora, porém, a descida de morro desta modalidade a água vai dentro das esferas.

 

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
– SITE: Reino Unido (UK) Zorbing – http://www.zorbsouth.co.uk/
– LIVRO: O guia dos curiosos: esportes / Marcelo Duarte. – 3ª ed. atualizada. São Paulo : Panda Books, 2006.

LEAVE YOUR COMMENT

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

− 3 = 4