0

História da Fórmula 1

História da Fórmula 1
0
0

O surgimento da Fórmula 1

Por volta das décadas de 1920 e 1930, na Europa, eram sediadas as primeiras disputas de automobilismo que se têm notícias. Por causa da Segunda Guerra Mundial, estas competições foram interrompidas e retornariam, em 1945, após o fim do conflito.

Uma uniformização das regras no automobilismo, contribuiu para a criação da Fórmula 1. O campeonato Mundial reunia um conjunto de Grand Prix (Grandes Prêmios) disputados na época sob a autoridade da Federação Internacional de Automobilismo (FIA).

 

 

Década de 1950 – Nasce a Fórmula 1

O ano de 1950 marcou o início do primeiro Campeonato Mundial de Fórmula 1, com a primeira corrida sendo realizada no Autódromo de Silvertone, na Inglaterra, vencida pelo italiano Giuseppe Farina (foto abaixo) pilotando um Alfa Romeo.

No final desta temporada, Farina sagrou-se o primeiro campeão mundial da Fórmula 1.

O período da década de 1950 marcou pelo grande confronto entre as escuderias Italianas e Alemãs. Do lado Italiano tinham a Alfa Romeo, Maseratti, Lancia e a Ferrari. Do lado alemão tinha a Mercedes-Benz (foto abaixo).

Já no final da década de 1950, o projetista inglês, John Cooper (foto abaixo), lançou as bases modernas da Fórmula 1 moderna, quando passou a utilizar com sucesso o uso de chassis tubulares nos carros com os motores traseiros, que foram adotados até o final da década de 1960.

Ainda falando da década de 1950, muitos pilotos fizeram história na Fórmula 1 como Stirling Moss, porém, um outro piloto acima de todos eles brilhava mais. Falamos de Juan Manuel Fangio (foto abaixo) que é considerado por muitos, como o melhor piloto de todos os tempos.

No primeiro Mundial de Fórmula 1, o argentino Juan Manuel Fangio foi vice-campeão, contudo, a partir de 1951, Fangio iniciava uma das seqüências de vitórias mais brilhantes da história da categoria, embalando cinco títulos na categoria (1951, 1954, 1955, 1956 e 1957).

 

 

Década de 1960 – A revolução tecnológica

Esta década marcou pela introdução da tecnologia na Fórmula 1 com o engenheiro inglês chamado Colin Chapman (foto abaixo), que deu uma inovada na categoria.

O Lotus (foto abaixo), da escuderia de Chapman, era esta inovação de pura tecnologia que trazia uma suspensão independente ao chassi monobloco do carro com o motor integrado.

A receita de sucesso da Lotus se completava com um grande piloto inglês chamado Jim Clark, que foi considerado por muitos, melhor do que Juan Manoel Fangio.

Após o trio de sucesso formado por Chapman, Clark e a Lotus, a tecnologia na categoria continuava. Bem no final da década de 1960, a Ford fabricava o motor Cosworth (foto acima), que viria a dominar as competições até o início da década de 1980.

Não poderíamos nos esquecer também de citarmos o surgimento de um dos grandes pilotos da Fórmula 1. Trata-se do escocês Jackie Stewart, que conquistou seu primeiro título na categoria em 1969, projetando-se em definitivo na década seguinte.

 

 

Década de 1970 – A preocupação com a segurança

Seguindo a evolução tecnológica da década de 1960, a década de 1970 mais uma vez alcançava um novo avanço através do mesmo engenheiro inglês, Colin Chapman, com o seu Lótus modelo 72. (foto abaixo).

Em 1978, desenvolvido por Chapman, o Lotus 72 adotava as asas, fazendo com que melhorasse a estabilidade e aderência do carro.

Em função da velocidade que aumentava a cada ano, a preocupação com a segurança dos pilotos, carros e circuitos ganharam importância através do movimento liderado por Jackie Stewart.

A década de 1970 além de marcar pela consagração de Jack Stewart, fez surgir grandes pilotos na categoria como o australiano Niki Lauda e o brasileiro Émerson Fittipaldi (foto acima).

 

 

Década de 1980 – A evolução na construção dos carros

A década de 1980 marcou na Fórmula 1 pela introdução dos motores turbinados e a construção dos veículos na categoria. Os motores turbinados duraram até o final desta década e foram deixados de lado pelo fato de serem muitos caros.

Contudo, a tecnologia na construção dos carros foi aprimorada com o surgimento do chassi feito em fibra de carbono, fato este que colocou a Inglaterra como o centro da indústria do automobilismo de competição.

 

Outro fato importantíssimo na década de 1980 foi o surgimento de grandes pilotos como Alain Prost e Nelson Piquet (foto acima) além de Nigel Mansell e o lendário Ayrton Senna (foto abaixo).

 

As grandes disputas entre pilotos marcaram muito esta década. Duelos memoráveis entre Ayrton Senna e Alan Prost, encantavam os domingos de todas as pessoas amantes do automobilismo.

 

 

Década de 1990 – A segurança dos veículos e a tragédia de 1994

Esta década marcou pela revolução tecnológica que levou ao extremo a segurança dos carros e introduziu definitivamente a informática na Fórmula 1.

Em 1994, a Fórmula 1 era marcada por uma grande tragédia (foto acima). No dia 1º de maio deste ano, o piloto brasileiro, Ayrton Senna, deixava milhares de fãs tristes após morrer em um trágico acidente no Grande Prêmio de San Marino, no autódromo de Ímola. Único lado positivo desta tragédia foi que a segurança dos carros e também dos equipamentos usados pelos pilotos fossem aperfeiçoadas.

Esta década também marcou pelo surgimento do maior campeão da Fórmula 1 de todos os tempos, o piloto alemão, Michael Schumacher (foto acima). Além de Schumacher, outro piloto de destaque desta década foi o finlandês Mika Hakkinen.

 

 

Anos 2000, a inclusão de novas regras

A Era 2000 começou marcando por sagrar campeão os dois pilotos mais jovens da história da Fórmula 1. Trata-se do espanhol Fernando Alonso (foto abaixo), que em 2005, aos 24 anos, conquistou seu primeiro título mundial, superando o piloto brasileiro Émerson Fittipaldi que era até então o pilto mais jovem a ter sido campeão.

Em 2007, o inglês Lewis Hamilton (foto abaixo) superou Alonso e passou ele a ser o campeão mais jovem da Fórmula aos 23 anos de idade pela Maclaren.

Antes disso, como foi citado na década de 1990, o piloto alemão, Michael Schumacher, dominou a categoria conquistando por sete vezes o título de campeão mundial da Fórmula 1 (1994, 1995, 2000, 2001, 2002, 2003 e 2004) batendo o recorde de Juan Manoel Fangio, que havia conseguido cinco títulos.

Preocupada com a monotonia de algumas corridas, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) impôs novas regras na Fórmula 1 nesta década que vão desde a mudança da aerodinâmica do carro até a quantidade de combustível que deve ser colocada. Devido a estas mudanças, as corridas ficaram mais dinâmicas, estratégicas, além claro, de obrigar os pilotos a mostrarem cada vez mais suas habilidades.

 

Graças às grandes personalidades do passado e as mudanças de regras atuais elaboradas pela FIA, a Fórmula 1 vem a cada ano crescendo e é hoje, sem sombra de dúvidas, o maior evento de automobilismo de velocidade do planeta.

OBS: Você saberá tudo sobre os principais pilotos e escuderias da Fórmula 1, em breve, aqui no site Travinha Esportes!!!!

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
– LIVRO: História dos Esportes, Orlando Duarte – 4ª ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2004.
– LIVRO: The Sports Book, Ray Stubbs, Editora Dorling Kindersley
– LIVRO: Pilotos: Lendas da Fórmula 1 / fotografias Bernard e Paul Cahier; textos Xavier Chimits; prefácio Téo José; tradução Paola Morsello e Adriana de Oliveira. – São Paulo: Larousse do Brasil, 2009.
– SITE: Federação Internacional de Automobilismo (FIA) – www.fia.com
– SITE: Confederação Brasileira de Automobilismo – www.cba.org.br

LEAVE YOUR COMMENT

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *