0

História do Karatê no Brasil

História do Karatê no Brasil
0
0

 

Mestre Sadamu Uriu: O marco inicial do karatê no Brasil

Vindo como imigrante do Japão em 1959, Shihan (Mestre) Sadamu Uriu, foi o introdutor do karatê no Brasil e sua história se confunde com a do próprio karatê brasileiro. Sadamu Uriu nasceu em 20 de setembro de 1929 no Japão, em Fukuoka-Ken, na ilha de Kyushu, na região sul do Japão, situada a aproximadamente 1.500 quilômetros de Tóquio, capital do Japão. Seu pai, Seizaburo Uriu, além de agricultor era praticante de judô. Sua mãe, Tsuwako Uriu, teve cinco filhos, três homens e duas mulheres, sendo Sadamu Uriu o quarto a nascer. Seus dois irmãos homens eram faixas-pretas de Kendo (luta com espadas) e participaram da Segunda guerra Mundial. Um deles era oficial do exército e o outro policial de um grupo de elite.

Sadamu Uriu começou a estudar aos sete anos de idade e cursou o ensino fundamental e médio, equivalentes ao 1º e 2º graus brasileiros na própria ilha de Kyushu, nas escolas Dairi-Sho e Mojishogio. Esta formação escolar no Japão tinha a duração de dez anos e durante o 2º grau o Mestre Uriu praticou Kendo.

Em 1951, aos 22 anos, Sadamu Uriu foi para a Universidade Takushoku, em Tóquio, onde já estudava um de seus irmãos. Lá, além de se formar em economia, iniciou o seu treinamento em karatê. Naquela época, no Japão, era nas faculdades que se iniciava o aprendizado do Karatê. Seu professor foi o famoso Mestre Nakayama, que por sua vez fora discípulo do lendário Mestre Gichin Funakoshi, fundador do estilo Shotokan de karatê e seu divulgador em todo o mundo. Nessa época havia treinamento de karatê, mas não existiam graduações por faixa nem competições, que só surgiram após a criação, em 1954, da Nihon Karatê Kyokai (atualmente Japan Karate Association – JKA). Mestre Uriu graduou-se em karatê (faixa-preta) pela JKA.

Na Universidade Takushoku praticaram karatê com Mestre Nakayama três outros mestres importantes da arte marcial, que acabaram também vindo para locais diversos no Brasil: Higashino, no Distrito Federal, Tanaka, no Rio de Janeiro e Sagara, em São Paulo.

 

 

Através do navio Kasato Maru, chega o karatê no país

Em 30 de dezembro de 1958, Mestre Uriu embarca, sem nenhum acompanhante, no Kasato Maru, um navio do governo japonês destinado para pessoas que desejassem emigrar para o Brasil. Nessa época, o governo japonês mantinha contatos com japoneses já estabelecidos no Brasil e que precisassem de mão-de-obra. A viagem durou 45 dias e Sadamu Uriu desembarcava no porto de Santos, São Paulo, dirigindo-se em seguida para Pindamonhangaba, também em São Paulo, para trabalhar na atividade agrícola na fazenda de Yoshio Igarashi. Lá ele permanece três meses e conhece Dona Aurora, uma das filhas do Senhor Yoshio, que viria, mais tarde, a ser sua esposa.

De Pindamonhangaba, Sadamu Uriu vai para a capital, São Paulo, para trabalhar na fábrica da Toyota, primeiro na linha de montagem e depois na área administrativa. O então presidente da Toyota, Kiyoyasu Koide, que o contratou, também se formara na Universidade Takushoku, no Japão. O curioso disto tudo é que o presidente era faixa-preta de 5º Dan de Judô e acabaria sendo padrinho de casamento da Uriu. Na Toyota, Sadamu Uriu permaneceu dois anos, 1960 e 1961, tendo como colega de trabalho, outro mestre importante do karatê, Yasutaka Tanaka, que deixara o Japão um mês depois de Uriu e, através da troca de cartas, viera se juntar a ele no trabalho na agricultura.

Já estabelecido em São Paulo, Sadamu Uriu começou a se reunir com alguns de seus ex-colegas da faculdade de Takushoku no Japão, também imigrantes, para treinar karatê. Entre eles estavam os mestres Tetsuma Higashino, Yasutaka Tanaka e Juichi Sagara. Naquela época não havia ainda a intenção de abrir academias para ensinar o karatê. Atualmente, Uriu e Tanaka vivem no Rio de Janeiro e Sagara em São Paulo, tendo Higashino falecido em 1987.

Em 1961 Lirton Monassa (falecido em 2000) procurou Uriu e Tanaka em São Paulo para que se transferissem para Rio de Janeiro para ensinar o karatê, o que eles fazem em 1962, quando passam a lecionar na academia Kobukan, no bairro de Botafogo. É também em 1962, no dia 29 de setembro, que Sadamu Uriu se casa com a Aurora Uriu. Deste casamento nascem dois filhos, Cezar e Cid, ambos praticantes de karatê desde a infância. Cid Uriu é atualmente engenheiro da Petrobrás, trabalhando na base de extração de petróleo da cidade de Macaé, situada no litoral norte do estado do Rio de Janeiro. Cezar Uriu também é engenheiro mecânico da Petrobrás, empresário e faixa-preta de 5º Dan, ocupando atualmente a presidência da Confederação Brasileira de Karate Shotokan – CBKS, fundada por Mestre Sadamu Uriu em 1994.

Após o início em 1962, na academia Kobukan, Mestre Uriu passa, em 1963, a lecionar karatê três vezes por semana no Tijuca Atlético Clube, para um grupo de 30 alunos. Nessa época, apareceram para assistir a um treino os tenentes Pacheco e Valporto, que impressionados com a técnica do karatê convidaram Mestre Uriu para fazer uma demonstração no Batalhão de Infantaria-Paraquedista.

Mestre Uriu faz então uma apresentação de karatê no Batalhão de Infantaria e pede-se a ele que faça uma demonstração de luta, primeiro contra um soldado boxeador e depois contra um soldado capoeirista. Ele vence as duas e um novo desafio lhe é apresentado: colocado diante de pilhas de madeira e de tijolos, perguntam se seria capaz de quebrá-los. Ele assim faz, para espanto e admiração de todos e, a partir daí, começa a ensinar karatê no Batalhão de Infantaria, onde ficou por 15 anos, até 1978. No meio militar, Mestre Uriu foi também instrutor da Escola de Comunicação do Exército (1964 a 1967) e da Escola Militar no Forte do Leme (1965 a 1967), todos no Rio de Janeiro.

Em 1964, alguns alunos e admiradores ajudam Mestre Uriu a montar a academia Shidokan, na Usina, no estado do Rio de Janeiro. Com a formação de vários atletas faixas-pretas pelo Mestre Uriu, na Shidokan, e pelo Mestre Tanaka, na Kobukan, começam a surgir diversas academias, expandindo-se, assim, o karatê no Rio de Janeiro.

De 1973 a 1985, Mestre Sadamu Uriu foi também instrutor da Universidade Gama Filho, no Rio de Janeiro.

 

 

Fatos marcantes na história do karatê no Brasil

Ao longo das décadas de 60, 70 e 80, alguns marcos na história do karatê brasileiro merecem registro, tais como:

– Em 1964, com o karatê no Rio de Janeiro filiado à Federação Carioca de Pugilismo é realizado o 1º Campeonato Carioca de Karatê. Após este campeonato, o karatê, em diversos estados, filia-se às respectivas federações de pugilismo;

– Em 1968 a 1970, o Mestre Uriu introduziu o karatê no estado da Bahia, sendo, neste período, técnico da seleção baiana;

– Em 1969, é realizado pela Confederação Brasileira de Pugilismo, o 1º Campeonato Brasileiro de Karatê, no Rio de Janeiro, com o auxílio dos mestres Uriu e Tanaka. O Rio de Janeiro conquistou o 1º lugar, ficando em 2º São Paulo e 3º a Bahia;

– Em 1970, o Brasil participa do 1º Campeonato Mundial, realizado no Japão;

– Em 1972, o Brasil participação do 2º Campeonato Mundial, realizado na França;

– Em 1975, o Mestre Uriu, trás pela primeira vez ao Brasil o Mestre Masatoshi Nakayama. Nesta ocasião o Mestre Nakayama ministra um curso de aperfeiçoamento técnico no Rio de Janeiro.

– Em 1978, o Brasil participa do 1º Campeonato Pan-americano, no Peru. Neste mesmo ano, o Mestre Uriu trás para o Brasil o Mestre Tetsuhiko Asai. A partir desde momento se inicia uma amizade que perdura até os dias de hoje;

– Em 1988 é realizado o 1º Campeonato Sul-americano de Karatê, com o Brasil sagrando-se campeão;

– Em 1989, o Brasil vence o Campeonato Pan-americano, realizado na Venezuela;

– Em 1990, o Brasil conquista o bi-campeonato no 2º Campeonato Sul-americano de Karatê e o vice-campeonato no 7º Campeonato Pan-americano de Karatê;

– Em 1991, o Brasil conquista o Campeonato Sul-americano, realizado no Paraguai, e o 5º lugar no Mundial do México;

– Em 1993, o Brasil consegue o 3º lugar no Mundial da África do Sul. Durante muitos anos, Mestre Sadamu Uriu foi o técnico da seleção brasileira, contribuindo para firmar o nome do Brasil no karatê internacional. Foi, também, técnico da seleção carioca, aperfeiçoando o karatê no estado do Rio de Janeiro;

– Em 1991, mestre Uriu foi o coordenador técnico do 1º Congresso Brasileiro de Professores de Karatê;

– Embora importante e necessária, a forte expansão do karatê no Brasil nas décadas de 70 e 80 gerou, no final dos anos 80 e início dos anos 90, conflitos de interesse e até mesmo um certo afastamento dos seus princípios e da sua essência. A conseqüência disto foi à perda de uma parte dos seus adeptos e, de certa forma, da própria força do karatê brasileiro. Preocupado com esta situação, em 1994, Mestre Sadamu Uriu fundava a Confederação Brasileira de Karatê Shotokan – CBKS, com o objetivo de trabalhar pelo desenvolvimento do esporte sem interesses econômicos, políticos e de poder. Todo o esforço foi concentrado na formação técnica dos praticantes e na divulgação do verdadeiro caminho do karatê;

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
– LIVRO: Três mestres do Budo. John Stevens – editora: Cultrix
– SITE: Confederação Brasileira de Karatê – http://www.karatedobrasil.org.br/
– SITE: Federação de Karatê do Rio de Janeiro – http://www.fkerj.org.br/
– SITE: Federação Paulista de Karatê – http://www.fpk.com.br/

LEAVE YOUR COMMENT

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

79 − 73 =